Metrô funciona parcialmente no 5º dia de greve; governo anuncia demissão de grevistas Mais opções

No quinto dia da greve dos metroviários em São Paulo, o metrô funciona parcialmente. Das 61 estações administradas pelo governo, 32 funcionavam por volta das 10h30, além das seis estações da linha 4-amarela, operada pela iniciativa privada.

O secretário estadual de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, anunciou nesta manhã 61 demissões de metroviários grevistas. Por volta das 7h, um grupo de cerca de 100 metroviários foi retido pela Polícia Militar dentro da estação Ana Rosa. Cerca de 85 foram liberados depois, mas a PM levou detidos 13 grevistas.

Manifestantes bloquearam a rua Vergueiro mais cedo, inclusive com barreiras de fogo. A PM usou bombas de efeito moral e balas de borracha para conter o protesto.

Apesar de decisão da Justiça considerando a greve abusiva, os metroviários de SP decidiram em assembleia no domingo (8) continuar a greve iniciada na quinta-feira (5).

Neste domingo, os desembargadores do Tribunal Regional do Trabalho também determinaram que o reajuste salarial dos trabalhadores deverá ser de 8,7%, índice oferecido pelo Metrô, ante inflação de 5,81%. Os metroviários pediam 12,2%.

O último reajuste da categoria foi de 8% frente a um INPC de 7,2%, no ano passado. O piso atual é de R$ 1.323,55.

O TRT determinou ainda uma multa de R$ 500 mil para cada novo dia parado, e de R$ 100 mil para os quatro dias anteriores ao julgamento.

O Metrô conta com 9.475 funcionários, sendo 2/3 responsáveis diretos pela operação.

sur[ jornal do brasil |http://www.jb.com.br/pais/noticias/2014/06/09/paralisacao-do-metro-em-sp-as-vesperas-da-copa-repercute-no-exterior/|pt-br|jornal do brasil]

Ainsi la police militaire est intervenue pour disperser et arrêter et la direction des transports renvoie une soixantaine d’employées, c’est ce que l’on appelle le dialogue social dans ce beau pays BRésil comme braise......Saõ Paulo aujoud’hui extrait du journal radio France culture de ce soir.

Lecteur audio intégré

nao_vai_ter_.jpg